Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na Videira – Lição 2 – Abraão: o primeiro missionário – 3º trimestre, 4 a 11 de julho de 2015

Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na VideiraLição 2
– clique na opção desejada: [Lição 1] – ou Lição 2 de  [sábado]  –  [domingo]  –  [segunda]  –  [terça]  –  [quarta]  –  [quinta]  –  [sexta] – ou o texto completo abaixo:
Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na VideiraSábadoIntrodução (4 de julho de 2015). Já de início, uma lembrança e reforço: a Lição é sobre “missionários” – então, nesta nova semana, ao relembrar algumas passagens históricas de Abraão, não faça a Lição ser sobre a história  de Abraão. Embora ele seja chamado de “amigo de Deus”, o que deve ser considerado é o foco missionário desse patriarca. Ele fora chamado para ser uma bênção a todas as famílias da terra, e estava sendo.
Pelos cálculos das genealogias bíblicas, Adão foi criado no ano 1, e o dilúvio foi em 1657, e Abraão nasceu em 1949. Deus havia dado a mensagem para Adão, e ela atravessou gerações; passou por Enoque, e por Noé, e entrou e saiu da arca; e passou pela torre de Babel, e chegou até Abraão.
Entre o dilúvio e o nascimento de Abraão, somente 292 anos haviam se passado. Curioso isso! Em tão pouco tempo, o repovoamento da Terra, a soberba dos construtores da torre de Babel, a confusão de idiomas, e o correspondente surgimento das nações (que, pelo jeito, rapidamente se tornaram pagãs e idólatras) – e Deus “mantinha” a Promessa.
Faço esta cronologia para chamar a atenção dos irmãos para o seguinte fato: nunca houve um tempo em que a mensagem tenha deixado de ser repassada; nunca houve um tempo em que Deus não tivesse um mensageiro; nunca houve um tempo em que a ordem fosse “cessar” a pregação. Se Abraão se calasse, outro Abraão seria chamado.
Os irmãos bem sabem que Abraão não foi o primeiro missionário, mas é dada esta referência no título desta semana no sentido pós dilúvio, e por ter sido ele o pai da nação que Deus achou por bem criar. Inclusive, nesse raciocínio, é como se Deus estivesse fazendo uma “nova” aliança. Os irmãos sabem que não era “nova”.
“Pela fé, Abraão, quando chamado, obedeceu, a fim de ir para um lugar que devia receber por herança; e partiu sem saber aonde ia. Pela fé, peregrinou na terra da promessa como em terra alheia, habitando em tendas com Isaque e Jacó, herdeiros com ele da mesma promessa; porque aguardava a cidade que tem fundamentos, da qual Deus é o Arquiteto e Edificador” (Hebreus 11:8-10).
Novamente, o “ide” vai ser apresentado a cada um de nós nesta semana. Se eu me calar, Deus preparará outro. Se você se calar, Deus chamará outro. Mas a mensagem será dada.
Pela história de Abraão, graças a Deus, seremos estimulados a falar, a pregar, a cantar, a testemunhar. Garante a Palavra que o Evangelho “será” pregado em todo o mundo. Que privilégio fazer parte da multidão de mensageiros do Senhor! E após pregada ao mundo, Jesus virá. É para esse Dia que Abraão olhava.
Sugerimos a leitura adicional da Meditação Matinal de 05/05/1974 – clique aqui.
[[Aproveite e leia a Meditação Diária 2015 – clique aqui]]
Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na VideiraDomingoO chamado de Abraão (5 de julho de 2015). Porque as famílias viviam no sistema patriarcal, é possível que Abraão tenha conhecido e recebido instruções tanto de Sem quanto de Noé. É possível. Mas a Bíblia se cala diante dessa possibilidade, partindo logo para a saída de Abraão, juntamente com seu pai, Tera, e o irmão Naor. Saíram de Ur dos Caldeus (este foi o primeiro “rompimento”) e foram morar num lugar anterior a Canaã. Chamaram o lugar de “Harã”, uma homenagem ao irmão já falecido, e que havia deixado um filho, chamado Ló.
Tendo morrido Tera, e estando Abraão com 75 anos, disse o SENHOR: “Sai da tua terra (este foi o segundo “rompimento”), da tua parentela e da casa de teu pai e vai para a terra que te mostrarei; de ti farei uma grande nação, e te abençoarei, e te engrandecerei o nome. Sê tu uma bênção! … Em ti serão benditas todas as famílias da terra” (Gênesis 12:1-3). Em 11:30 é dito que a esposa Sara era estéril. E o sobrinho Ló o acompanhou.
Em Abraão, Deus está nos dizendo que é importante que os Seus filhos se afastem de tudo quanto possa “impedir” o propósito divino para as suas vidas. Se o laço familiar é impedimento, até esse deve ser deixado para trás. Neste caso, Abraão rompeu com seu irmão Naor. (Sugerimos a leitura de “A Bíblia manda odiar o pai e a mãe em nome de Jesus?– clique aqui).
Hebreus 11:8 diz que, “pela fé, Abraão, quando chamado, obedeceu, a fim de ir para um lugar que devia receber por herança; e partiu sem saber aonde ia”.
Em Abraão, Deus está nos dizendo que é Ele quem conduz a jornada, mesmo que não especifique o CEP de destino ou o CPF das pessoas com quem entraremos em contato.
Ainda hoje, nem todas as atividades missionárias serão realizadas tendo sido planejadas e organizadas em tempo hábil pela igreja. É possível que surjam situações que devamos ir e fazer com certa urgência. Com oração e confiança, entenda que Deus está no comando. Vá.
No caso de Abraão, ele, pela fé, acima de tudo isso, “aguardava a cidade que tem fundamentos, da qual Deus é o Arquiteto e Edificador” (Hebreus 11:10).
Disse Deus: Eu “te abençoarei … Sê tu uma bênção … Em ti serão benditas todas as famílias da terra”. Em Abraão, Deus está nos dizendo que há uma bênção toda especial, muitíssima especial. E ela nos é dada para um duplo propósito: para si e para os outros.
Os dons e talentos que Deus nos deu devem “sempre” estar a disposição de Sua própria Providência. Recebemos para dar. Temos para multiplicar. Somos para testemunhar.
No caso de Abraão, Paulo explicou assim: “Sabei, pois, que os da fé é que são filhos de Abraão. Ora, tendo a Escritura previsto que Deus justificaria pela fé os gentios, preanunciou o evangelho a Abraão: ‘Em ti, serão abençoados todos os povos’. De modo que os da fé são abençoados com o crente Abraão” (Gálatas 3:7-9).
Particularmente, estou impressionado com a bênção que o filho e o neto de Abraão tiveram. A Bíblia registrou assim: “Pela fé, [Abraão] peregrinou na terra da promessa como em terra alheia, habitando em tendas com Isaque e Jacó, herdeiros com ele da mesma promessa” (Hebreus 11:9).
Irmãos, vocês sabem que fomos chamados. Quando o Evangelho chegou a cada um de nós, ou aos nossos pais, imediatamente fomos chamados para tomar posse dessa benção, e ser uma bênção aos outros. Passou por Abraão, e por Isaque, e por Jacó, e por outros, e chegou até você. Mas pergunto: se alguém tivesse interrompido, estaria você na bênção de Deus?
Reparta, e sê tu uma bênção!
[[Aproveite e leia a Meditação Diária 2015 – clique aqui]]
Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na VideiraSegundaO testemunho de Abraão para os reis (6 de julho de 2015). No capítulo 12 de Gênesis, Abraão recebeu a ordem para sair, e saiu, e se alojou por um tempo em Canaã, e, por questão de fome, foi para o Egito. No capítulo 13, ele retorna para Canaã.
Em tudo isso, Ló está com seu tio. Até que, então, ocorre a separação. É nesse momento que, finalmente, Deus declara que Canaã será de Abraão.
Bem, para a separação, foi permitido que Ló fizesse a escolha, e ele escolheu morar em Sodoma, avizinhando com Gomorra, Admá, Zeboim e Zoar. Tempos depois (Capítulo 14), estes lugares foram atacados, e outros povos os venceram, saqueando os bens e levando pessoas como cativos. E “apossaram-se também de Ló, filho do irmão de Abrão, que morava em Sodoma, e dos seus bens e partiram”.
“Ouvindo Abrão que seu sobrinho estava preso, [foi em busca dos saqueadores], feriu-os e os perseguiu… [e] trouxe de novo todos os bens, e também a Ló, seu sobrinho, os bens dele, e ainda as mulheres, e o povo. Após voltar Abrão,… saiu-lhe ao encontro o rei de Sodoma. […] Então, disse o rei de Sodoma a Abrão: ‘Dá-me as pessoas, e os bens ficarão contigo’. Mas Abrão lhe respondeu: ‘Levanto a mão ao SENHOR, o Deus Altíssimo, o que possui os Céus e a Terra, e juro que nada tomarei de tudo o que te pertence, nem um fio, nem uma correia de sandália”.
Como sabemos, mais adiante (Capítulo 19), Sodoma e Gomorra serão destruídas. Mas vocês notaram os detalhes nos capítulos 13 e 14? Ló era uma pessoa justa entre eles. Havia, portanto, uma referência do evangelho. Não precisava chegar aonde chegaram! Além disso, no caso da ajuda no tempo de guerra, eles receberam luz necessária através do testemunho de Abraão. Bastava ceder ao início da luz para receber mais luz.
Diz o Espírito de Profecia: “Por ocasião da mudança de Ló para Sodoma, a corrupção não havia ainda se tornado geral, e Deus em Sua misericórdia permitiu que raios de luz resplandecessem por entre as trevas morais. Quando Abraão libertou dos elamitas os cativos, foi chamada a atenção do povo para a verdadeira fé. Abraão não era um estranho para o povo de Sodoma, e seu culto ao Deus invisível fora assunto para ridículo entre eles; mas sua vitória sobre forças grandemente superiores e sua disposição magnânima dos prisioneiros e despojos, provocaram espanto e admiração. Enquanto sua habilidade e bravura eram exaltadas, ninguém podia evitar a convicção de que o fizera vencedor um poder divino. E seu espírito nobre e abnegado, tão estranho aos habitantes de Sodoma, que só procuravam o proveito próprio, foi outra prova da superioridade da religião que ele honrara pela sua coragem e fidelidade” (Patriarcas e Profetas, capítulo 14 – “A Destruição de Sodoma”).
Há quem use a história final dessas cidades para mostrar uma suposta dureza de Deus, dizendo ser Ele implacável contra o pecado e os pecadores. Preferem destacar o juízo, os atos punitivos. Com isso, como revelado, deixamos de ver os atos redentivos, a disposição da misericórdia, o desejo de salvar. E isso Ele fez através de Seu servo, o missionário Abraão.
Tomara que nossas atividades missionárias tenham sucesso, mas se não houver, continuemos a cumprir a nossa missão.
[[Aproveite e leia a Meditação Diária 2015 – clique aqui]]
Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na VideiraTerçaExemplo de fé (7 de julho de 2015). Abraão está pregando para nós. Através da revelação de sua fé, ele está passando uma mensagem para cada um de nós. Deus o chamou para sair para um lugar que, a princípio, não revelara. Vá! Ele foi. Não tendo filhos, soube que seria pai de uma grande nação – somos nós. Foi abençoado para abençoar – e nós fomos abençoados.
Naquele momento em que houve fome em Canaã e ele foi para o Egito (fico impressionado com isso), não se queixou de Deus. Que fé! Que mensagem!
Vejamos o que diz uma Meditação Matinal de 1986:
“Deus escolheu Abraão como Seu mensageiro através do qual comunicaria luz ao mundo. A palavra de Deus veio a ele, não com o oferecimento de perspectivas lisonjeiras nesta vida, de elevado salário, ou de grande reconhecimento e honras mundanas. ‘Sai da tua terra, para a terra que te mostrarei’, foi a mensagem divina a Abraão. O patriarca obedeceu, ‘e partiu sem saber aonde ia’, como portador da luz divina, a fim de manter o Seu nome lembrado na Terra. Ele abandonou seu país, sua casa, seus parentes, e todas as relações amistosas ligadas a sua vida primitiva, a fim de tornar-se peregrino e estrangeiro. […]
Antes que Deus pudesse usá-lo, Abraão teve de separar-se de seus companheiros, para não ser controlado por influências humanas ou confiar no auxílio humano. Agora, que ele se havia ligado a Deus, precisaria habitar entre estranhos. Seu caráter precisaria ser especial, diferente de todos os demais no mundo. Ele não podia sequer explicar seu modo de proceder, de maneira a ser compreendido por seus amigos, pois eles eram idólatras. As coisas espirituais precisam ser discernidas espiritualmente; consequentemente, seus motivos e ações estavam além da compreensão de seus parentes e amigos.
A obediência incondicional de Abraão foi um dos mais notáveis exemplos de fé e confiança em Deus encontrados no Registro Sagrado. Tendo apenas a simples promessa de que os seus descendentes possuiriam a terra de Canaã, sem a menor evidência externa, ele seguiu para onde Deus o conduziria, cumprindo sincera e integralmente as condições que lhe competiam, e confiando em que o Senhor fielmente cumpriria a Sua palavra. O patriarca foi onde quer que Deus indicasse ser seu dever; atravessou o deserto sem temor; penetrou em nações idólatras com o único pensamento: ‘Deus falou; estou obedecendo a Sua voz; Ele me guiará e protegerá’.
Os mensageiros de Deus necessitam hoje exatamente da mesma fé e confiança que Abraão teve. Mas muitos que poderiam ser usados por Deus não avançam, ouvindo e obedecendo à Voz que é superior a todas as outras. … O Senhor faria muito mais por Seus servos se eles fossem totalmente consagrados a Ele, e colocassem o Seu serviço acima dos laços de parentesco e de todas as demais relações terrenas” (Refletindo a Cristo, 06/11/1986).
[[Aproveite e leia a Meditação Diária 2015 – clique aqui]]
Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na VideiraQuartaAbraão, o peregrino (8 de julho de 2015). É lógico, irmãos, Abraão não foi santo o tempo todo. Teve seus deslizes. Mas Deus, como sabemos, não tem problemas em chamar pecadores. Aliás, Ele é especialista em transformar pecadores.
Por sinal, os relatos dos erros de Abraão servem justamente para nos ensinar que, se também temos nossas fraquezas, mesmo assim, apesar disso, Deus quer nos tomar em Suas mãos para nos perdoar, e então nos tornar Seus instrumentos para contar aos outros sobre o que o Plano da Redenção faz na vida daquele que permite tal obra.
Por outro lado, não olhe torto para um irmão que venha a usar o púlpito, mesmo que no passado ele não tenha sido tão irmão assim. Olhe para a mensagem. O que importa é a mensagem. É para a Palavra de Deus que devemos olhar.
Me chamou a atenção o que a Lição fala sobre as viagens de Abraão. O fato de ele ter feito várias mudanças indica um grande grau de fé em Deus. Cada experiência lhe servia para desenvolver mais e mais confiança em Deus. O apego era cada vez maior.
Ao mesmo tempo, ao mudar, ao conhecer novos lugares e pessoas, sempre se colocou na posição de missionário. Não houve um momento em que ele não tenha levantado um altar para adoração ao seu Deus. Em todos os restaurantes, sempre inclinou a cabeça em oração para agradecer a Deus pela refeição que recebia.
Hoje, pode ser que não sejamos convidados a fazer mudanças geográficas, mas, com certeza, a permitir que Deus faça as mudanças necessárias em nossa vida – e isso se tornará a mais bela mensagem para as pessoas com quem entraremos em contato, e muitos deles serão levados a reconhecer o poder de nosso Deus.
[[Aproveite e leia a Meditação Diária 2015 – clique aqui]]
Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na VideiraQuintaAbraão: um missionário em sua própria casa (9 de julho de 2015). Não sei se você tem um familiar “importante”. Não estou falando de “famoso”, mas “importante”. Por exemplo, um inventor, ou educador, ou missionário, ou alguma outra posição que consideramos importante. Eu não sei se você tem um familiar assim. Mas sei que Abraão teve. E não estou falando dos reis de Israel não! Falo do Redentor! Foi da família de Abraão que nasceu o nosso Senhor Jesus Cristo. Isso é extraordinário, não é verdade?
Irmãos, e tudo isso começou (e continuou) porque Abraão foi missionário em sua própria casa. Isaque foi doutrinado na Palavra de Deus. A Bíblia diz que Jacó conviveu com seu avô, morando em tendas durante a peregrinação (Pela cronologia, entende-se que o convívio foi de 15 anos). E os filhos de Jacó receberam o mesmo ensinamento. E isso chegou até seu tataraneto Moisés. E etc., etc. Até que, graças a Deus, chegou em nossa casa.
“Deus chamou Abraão para ser ensinador de Sua palavra, e escolheu-o para pai de uma grande nação, porque viu que instruiria aos filhos e à sua casa, nos princípios da Sua lei. E aquilo que dava poder ao ensino de Abraão, era a influência de sua própria vida. Sua grande casa consistia em mais de mil almas, muitas das quais chefes de famílias, e não poucos recém-conversos do paganismo. Tal casa exigia mão firme ao leme. Não seria suficiente nenhum método fraco e vacilante. A respeito de Abraão, disse Deus: ‘Eu o tenho conhecido, que ele há de ordenar a seus filhos e a sua casa depois dele’. Contudo exercia sua autoridade com tal sabedoria e ternura que conquistava os corações. O testemunho do Vigia divino é que guardavam ‘o caminho do Senhor, para obrarem com justiça e juízo’. E a influência de Abraão estendeu-se além de sua própria casa. Onde quer que erigisse a sua tenda, levantava ao lado o altar para o sacrifício e culto. Quando se removia a tenda, o altar ficava; e mais de um cananeu errante, cujo conhecimento de Deus fora adquirido mediante a vida de Seu servo Abraão, detinha-se naquele altar para oferecer sacrifício a Jeová” (Educação, pág. 187).
Jesus é bênção prometida a Abraão e, através dele, para cada um de nós. Que por você, irmão, Jesus seja fielmente apresentado em sua casa, para a sua família, aos seus filhos.
Sugerimos a leitura adicional da Meditação Matinal de 1983 – clique aqui.
[[Aproveite e leia a Meditação Diária 2015 – clique aqui]]
Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na Videira – Sexta – Conclusão (10 de julho de 2015). “A vida de Abraão, o amigo de Deus, era uma vida de oração. Onde quer que armasse sua tenda, junto dela construía um altar, sobre o qual oferecia os sacrifícios da manhã e da tarde. Ao remover a tenda, o altar ficava. E o errante cananeu, ao chegar àquele altar, sabia quem ali estivera. Depois de armar a tenda, consertava-o e adorava o Deus vivo.
Assim devem os lares cristãos ser luzes no mundo. … Pais e mães: Cada manhã e noite, reuni ao redor de vós os filhos e, com humilde petição, elevai a Deus o coração, suplicando-Lhe auxílio. Vossos queridos acham-se expostos à tentação. Contratempos diários juncam o caminho de jovens e velhos. Os que quiserem viver vida paciente, amorosa e alegre, precisam orar. Só recebendo auxílio constante de Deus, poderemos alcançar a vitória sobre o próprio eu.
Cada manhã consagrai-vos e a vossos filhos a Deus, para esse dia. Não façais cálculos para meses ou anos; eles vos não pertencem. Um curto dia é o que vos é dado. Como se fosse esse vosso último dia na Terra, trabalhai para o Mestre durante as suas horas. Deponde perante Deus todos os vossos planos, para serem executados ou rejeitados, conforme o indique a Sua providência. Aceitai os Seus planos em lugar dos vossos, mesmo quando sua aceitação exija a renúncia de projetos acariciados. Assim a vida será moldada cada vez mais segundo o modelo divino. […]
Por uma pequena atenção e cuidadoso preparo para esse período, em que vamos à presença de Deus, o culto familiar pode tornar-se agradável, e será acompanhado de resultados que só a eternidade revelará” (Minha Consagração Hoje, Meditação Matinal de 31/01/1953).
[[Aproveite e leia a Meditação Diária 2015 – clique aqui]]

Publicado em a lição da semana, Comentário da Lição da Escola Sabatina, Ligado na Videira | Marcado com | Deixe um comentário

Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na Videira – Lição 2 – Sábado, 4 de julho de 2015 – “Abraão: o primeiro missionário” – Introdução

Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na VideiraSábadoIntrodução (4 de julho de 2015). Já de início, uma lembrança e reforço: a Lição é sobre “missionários” – então, nesta nova semana, ao relembrar algumas passagens históricas de Abraão, não faça a Lição ser sobre a história  de Abraão. Embora ele seja chamado de “amigo de Deus”, o que deve ser considerado é o foco missionário desse patriarca. Ele fora chamado para ser uma bênção a todas as famílias da terra, e estava sendo.
Pelos cálculos das genealogias bíblicas, Adão foi criado no ano 1, e o dilúvio foi em 1657, e Abraão nasceu em 1949. Deus havia dado a mensagem para Adão, e ela atravessou gerações; passou por Enoque, e por Noé, e entrou e saiu da arca; e passou pela torre de Babel, e chegou até Abraão.
Entre o dilúvio e o nascimento de Abraão, somente 292 anos haviam se passado. Curioso isso! Em tão pouco tempo, o repovoamento da Terra, a soberba dos construtores da torre de Babel, a confusão de idiomas, e o correspondente surgimento das nações (que, pelo jeito, rapidamente se tornaram pagãs e idólatras) – e Deus “mantinha” a Promessa.
Faço esta cronologia para chamar a atenção dos irmãos para o seguinte fato: nunca houve um tempo em que a mensagem tenha deixado de ser repassada; nunca houve um tempo em que Deus não tivesse um mensageiro; nunca houve um tempo em que a ordem fosse “cessar” a pregação. Se Abraão se calasse, outro Abraão seria chamado.
Os irmãos bem sabem que Abraão não foi o primeiro missionário, mas é dada esta referência no título desta semana no sentido pós dilúvio, e por ter sido ele o pai da nação que Deus achou por bem criar. Inclusive, nesse raciocínio, é como se Deus estivesse fazendo uma “nova” aliança. Os irmãos sabem que não era “nova”.
“Pela fé, Abraão, quando chamado, obedeceu, a fim de ir para um lugar que devia receber por herança; e partiu sem saber aonde ia. Pela fé, peregrinou na terra da promessa como em terra alheia, habitando em tendas com Isaque e Jacó, herdeiros com ele da mesma promessa; porque aguardava a cidade que tem fundamentos, da qual Deus é o Arquiteto e Edificador” (Hebreus 11:8-10).
Novamente, o “ide” vai ser apresentado a cada um de nós nesta semana. Se eu me calar, Deus preparará outro. Se você se calar, Deus chamará outro. Mas a mensagem será dada.
Pela história de Abraão, graças a Deus, seremos estimulados a falar, a pregar, a cantar, a testemunhar. Garante a Palavra que o Evangelho “será” pregado em todo o mundo. Que privilégio fazer parte da multidão de mensageiros do Senhor! E após pregada ao mundo, Jesus virá. É para esse Dia que Abraão olhava.
Sugerimos a leitura adicional da Meditação Matinal de 05/05/1974 – clique aqui.
[[Aproveite e leia a Meditação Diária 2015 – clique aqui]]

Publicado em a lição da semana, Comentário da Lição da Escola Sabatina, Ligado na Videira | Marcado com , | Deixe um comentário

Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na Videira – Lição 2 – Domingo, 5 de julho de 2015 – “Abraão: o primeiro missionário” – O chamado de Abraão

Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na VideiraDomingoO chamado de Abraão (5 de julho de 2015). Porque as famílias viviam no sistema patriarcal, é possível que Abraão tenha conhecido e recebido instruções tanto de Sem quanto de Noé. É possível. Mas a Bíblia se cala diante dessa possibilidade, partindo logo para a saída de Abraão, juntamente com seu pai, Tera, e o irmão Naor. Saíram de Ur dos Caldeus (este foi o primeiro “rompimento”) e foram morar num lugar anterior a Canaã. Chamaram o lugar de “Harã”, uma homenagem ao irmão já falecido, e que havia deixado um filho, chamado Ló.
Tendo morrido Tera, e estando Abraão com 75 anos, disse o SENHOR: “Sai da tua terra (este foi o segundo “rompimento”), da tua parentela e da casa de teu pai e vai para a terra que te mostrarei; de ti farei uma grande nação, e te abençoarei, e te engrandecerei o nome. Sê tu uma bênção! … Em ti serão benditas todas as famílias da terra” (Gênesis 12:1-3). Em 11:30 é dito que a esposa Sara era estéril. E o sobrinho Ló o acompanhou.
Em Abraão, Deus está nos dizendo que é importante que os Seus filhos se afastem de tudo quanto possa “impedir” o propósito divino para as suas vidas. Se o laço familiar é impedimento, até esse deve ser deixado para trás. Neste caso, Abraão rompeu com seu irmão Naor. (Sugerimos a leitura de “A Bíblia manda odiar o pai e a mãe em nome de Jesus?– clique aqui).
Hebreus 11:8 diz que, “pela fé, Abraão, quando chamado, obedeceu, a fim de ir para um lugar que devia receber por herança; e partiu sem saber aonde ia”.
Em Abraão, Deus está nos dizendo que é Ele quem conduz a jornada, mesmo que não especifique o CEP de destino ou o CPF das pessoas com quem entraremos em contato.
Ainda hoje, nem todas as atividades missionárias serão realizadas tendo sido planejadas e organizadas em tempo hábil pela igreja. É possível que surjam situações que devamos ir e fazer com certa urgência. Com oração e confiança, entenda que Deus está no comando. Vá.
No caso de Abraão, ele, pela fé, acima de tudo isso, “aguardava a cidade que tem fundamentos, da qual Deus é o Arquiteto e Edificador” (Hebreus 11:10).
Disse Deus: Eu “te abençoarei … Sê tu uma bênção … Em ti serão benditas todas as famílias da terra”. Em Abraão, Deus está nos dizendo que há uma bênção toda especial, muitíssima especial. E ela nos é dada para um duplo propósito: para si e para os outros.
Os dons e talentos que Deus nos deu devem “sempre” estar a disposição de Sua própria Providência. Recebemos para dar. Temos para multiplicar. Somos para testemunhar.
No caso de Abraão, Paulo explicou assim: “Sabei, pois, que os da fé é que são filhos de Abraão. Ora, tendo a Escritura previsto que Deus justificaria pela fé os gentios, preanunciou o evangelho a Abraão: ‘Em ti, serão abençoados todos os povos’. De modo que os da fé são abençoados com o crente Abraão” (Gálatas 3:7-9).
Particularmente, estou impressionado com a bênção que o filho e o neto de Abraão tiveram. A Bíblia registrou assim: “Pela fé, [Abraão] peregrinou na terra da promessa como em terra alheia, habitando em tendas com Isaque e Jacó, herdeiros com ele da mesma promessa” (Hebreus 11:9).
Irmãos, vocês sabem que fomos chamados. Quando o Evangelho chegou a cada um de nós, ou aos nossos pais, imediatamente fomos chamados para tomar posse dessa benção, e ser uma bênção aos outros. Passou por Abraão, e por Isaque, e por Jacó, e por outros, e chegou até você. Mas pergunto: se alguém tivesse interrompido, estaria você na bênção de Deus?
Reparta, e sê tu uma bênção!
[[Aproveite e leia a Meditação Diária 2015 – clique aqui]]

Publicado em a lição da semana, Comentário da Lição da Escola Sabatina, Ligado na Videira | Marcado com , | Deixe um comentário

Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na Videira – Lição 2 – Segunda, 6 de julho de 2015 – “Abraão: o primeiro missionário” – O testemunho de Abraão para os reis

Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na VideiraSegundaO testemunho de Abraão para os reis (6 de julho de 2015). No capítulo 12 de Gênesis, Abraão recebeu a ordem para sair, e saiu, e se alojou por um tempo em Canaã, e, por questão de fome, foi para o Egito. No capítulo 13, ele retorna para Canaã.
Em tudo isso, Ló está com seu tio. Até que, então, ocorre a separação. É nesse momento que, finalmente, Deus declara que Canaã será de Abraão.
Bem, para a separação, foi permitido que Ló fizesse a escolha, e ele escolheu morar em Sodoma, avizinhando com Gomorra, Admá, Zeboim e Zoar. Tempos depois (Capítulo 14), estes lugares foram atacados, e outros povos os venceram, saqueando os bens e levando pessoas como cativos. E “apossaram-se também de Ló, filho do irmão de Abrão, que morava em Sodoma, e dos seus bens e partiram”.
“Ouvindo Abrão que seu sobrinho estava preso, [foi em busca dos saqueadores], feriu-os e os perseguiu… [e] trouxe de novo todos os bens, e também a Ló, seu sobrinho, os bens dele, e ainda as mulheres, e o povo. Após voltar Abrão,… saiu-lhe ao encontro o rei de Sodoma. […] Então, disse o rei de Sodoma a Abrão: ‘Dá-me as pessoas, e os bens ficarão contigo’. Mas Abrão lhe respondeu: ‘Levanto a mão ao SENHOR, o Deus Altíssimo, o que possui os Céus e a Terra, e juro que nada tomarei de tudo o que te pertence, nem um fio, nem uma correia de sandália”.
Como sabemos, mais adiante (Capítulo 19), Sodoma e Gomorra serão destruídas. Mas vocês notaram os detalhes nos capítulos 13 e 14? Ló era uma pessoa justa entre eles. Havia, portanto, uma referência do evangelho. Não precisava chegar aonde chegaram! Além disso, no caso da ajuda no tempo de guerra, eles receberam luz necessária através do testemunho de Abraão. Bastava ceder ao início da luz para receber mais luz.
Diz o Espírito de Profecia: “Por ocasião da mudança de Ló para Sodoma, a corrupção não havia ainda se tornado geral, e Deus em Sua misericórdia permitiu que raios de luz resplandecessem por entre as trevas morais. Quando Abraão libertou dos elamitas os cativos, foi chamada a atenção do povo para a verdadeira fé. Abraão não era um estranho para o povo de Sodoma, e seu culto ao Deus invisível fora assunto para ridículo entre eles; mas sua vitória sobre forças grandemente superiores e sua disposição magnânima dos prisioneiros e despojos, provocaram espanto e admiração. Enquanto sua habilidade e bravura eram exaltadas, ninguém podia evitar a convicção de que o fizera vencedor um poder divino. E seu espírito nobre e abnegado, tão estranho aos habitantes de Sodoma, que só procuravam o proveito próprio, foi outra prova da superioridade da religião que ele honrara pela sua coragem e fidelidade” (Patriarcas e Profetas, capítulo 14 – “A Destruição de Sodoma”).
Há quem use a história final dessas cidades para mostrar uma suposta dureza de Deus, dizendo ser Ele implacável contra o pecado e os pecadores. Preferem destacar o juízo, os atos punitivos. Com isso, como revelado, deixamos de ver os atos redentivos, a disposição da misericórdia, o desejo de salvar. E isso Ele fez através de Seu servo, o missionário Abraão.
Tomara que nossas atividades missionárias tenham sucesso, mas se não houver, continuemos a cumprir a nossa missão.
[[Aproveite e leia a Meditação Diária 2015 – clique aqui]]

Publicado em a lição da semana, Comentário da Lição da Escola Sabatina, Ligado na Videira | Marcado com , | Deixe um comentário

Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na Videira – Lição 2 – Terça, 7 de julho de 2015 – “Abraão: o primeiro missionário” – Exemplo de fé

Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na VideiraTerçaExemplo de fé (7 de julho de 2015). Abraão está pregando para nós. Através da revelação de sua fé, ele está passando uma mensagem para cada um de nós. Deus o chamou para sair para um lugar que, a princípio, não revelara. Vá! Ele foi. Não tendo filhos, soube que seria pai de uma grande nação – somos nós. Foi abençoado para abençoar – e nós fomos abençoados.
Naquele momento em que houve fome em Canaã e ele foi para o Egito (fico impressionado com isso), não se queixou de Deus. Que fé! Que mensagem!
Vejamos o que diz uma Meditação Matinal de 1986:
“Deus escolheu Abraão como Seu mensageiro através do qual comunicaria luz ao mundo. A palavra de Deus veio a ele, não com o oferecimento de perspectivas lisonjeiras nesta vida, de elevado salário, ou de grande reconhecimento e honras mundanas. ‘Sai da tua terra, para a terra que te mostrarei’, foi a mensagem divina a Abraão. O patriarca obedeceu, ‘e partiu sem saber aonde ia’, como portador da luz divina, a fim de manter o Seu nome lembrado na Terra. Ele abandonou seu país, sua casa, seus parentes, e todas as relações amistosas ligadas a sua vida primitiva, a fim de tornar-se peregrino e estrangeiro. […]
Antes que Deus pudesse usá-lo, Abraão teve de separar-se de seus companheiros, para não ser controlado por influências humanas ou confiar no auxílio humano. Agora, que ele se havia ligado a Deus, precisaria habitar entre estranhos. Seu caráter precisaria ser especial, diferente de todos os demais no mundo. Ele não podia sequer explicar seu modo de proceder, de maneira a ser compreendido por seus amigos, pois eles eram idólatras. As coisas espirituais precisam ser discernidas espiritualmente; consequentemente, seus motivos e ações estavam além da compreensão de seus parentes e amigos.
A obediência incondicional de Abraão foi um dos mais notáveis exemplos de fé e confiança em Deus encontrados no Registro Sagrado. Tendo apenas a simples promessa de que os seus descendentes possuiriam a terra de Canaã, sem a menor evidência externa, ele seguiu para onde Deus o conduziria, cumprindo sincera e integralmente as condições que lhe competiam, e confiando em que o Senhor fielmente cumpriria a Sua palavra. O patriarca foi onde quer que Deus indicasse ser seu dever; atravessou o deserto sem temor; penetrou em nações idólatras com o único pensamento: ‘Deus falou; estou obedecendo a Sua voz; Ele me guiará e protegerá’.
Os mensageiros de Deus necessitam hoje exatamente da mesma fé e confiança que Abraão teve. Mas muitos que poderiam ser usados por Deus não avançam, ouvindo e obedecendo à Voz que é superior a todas as outras. … O Senhor faria muito mais por Seus servos se eles fossem totalmente consagrados a Ele, e colocassem o Seu serviço acima dos laços de parentesco e de todas as demais relações terrenas” (Refletindo a Cristo, 06/11/1986).
[[Aproveite e leia a Meditação Diária 2015 – clique aqui]]

Publicado em a lição da semana, Comentário da Lição da Escola Sabatina, Ligado na Videira | Marcado com , | Deixe um comentário

Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na Videira – Lição 2 – Quarta, 8 de julho de 2015 – “Abraão: o primeiro missionário” – Abraão, o peregrino

Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na VideiraQuartaAbraão, o peregrino (8 de julho de 2015). É lógico, irmãos, Abraão não foi santo o tempo todo. Teve seus deslizes. Mas Deus, como sabemos, não tem problemas em chamar pecadores. Aliás, Ele é especialista em transformar pecadores.
Por sinal, os relatos dos erros de Abraão servem justamente para nos ensinar que, se também temos nossas fraquezas, mesmo assim, apesar disso, Deus quer nos tomar em Suas mãos para nos perdoar, e então nos tornar Seus instrumentos para contar aos outros sobre o que o Plano da Redenção faz na vida daquele que permite tal obra.
Por outro lado, não olhe torto para um irmão que venha a usar o púlpito, mesmo que no passado ele não tenha sido tão irmão assim. Olhe para a mensagem. O que importa é a mensagem. É para a Palavra de Deus que devemos olhar.
Me chamou a atenção o que a Lição fala sobre as viagens de Abraão. O fato de ele ter feito várias mudanças indica um grande grau de fé em Deus. Cada experiência lhe servia para desenvolver mais e mais confiança em Deus. O apego era cada vez maior.
Ao mesmo tempo, ao mudar, ao conhecer novos lugares e pessoas, sempre se colocou na posição de missionário. Não houve um momento em que ele não tenha levantado um altar para adoração ao seu Deus. Em todos os restaurantes, sempre inclinou a cabeça em oração para agradecer a Deus pela refeição que recebia.
Hoje, pode ser que não sejamos convidados a fazer mudanças geográficas, mas, com certeza, a permitir que Deus faça as mudanças necessárias em nossa vida – e isso se tornará a mais bela mensagem para as pessoas com quem entraremos em contato, e muitos deles serão levados a reconhecer o poder de nosso Deus.
[[Aproveite e leia a Meditação Diária 2015 – clique aqui]]

Publicado em a lição da semana, Comentário da Lição da Escola Sabatina, Ligado na Videira | Marcado com , | Deixe um comentário

Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na Videira – Lição 2 – Quinta, 9 de julho de 2015 – “Abraão: o primeiro missionário” – Abraão: um missionário em sua própria casa

Comentário da Lição da Escola Sabatina Ligado na VideiraQuintaAbraão: um missionário em sua própria casa (9 de julho de 2015). Não sei se você tem um familiar “importante”. Não estou falando de “famoso”, mas “importante”. Por exemplo, um inventor, ou educador, ou missionário, ou alguma outra posição que consideramos importante. Eu não sei se você tem um familiar assim. Mas sei que Abraão teve. E não estou falando dos reis de Israel não! Falo do Redentor! Foi da família de Abraão que nasceu o nosso Senhor Jesus Cristo. Isso é extraordinário, não é verdade?
Irmãos, e tudo isso começou (e continuou) porque Abraão foi missionário em sua própria casa. Isaque foi doutrinado na Palavra de Deus. A Bíblia diz que Jacó conviveu com seu avô, morando em tendas durante a peregrinação (Pela cronologia, entende-se que o convívio foi de 15 anos). E os filhos de Jacó receberam o mesmo ensinamento. E isso chegou até seu tataraneto Moisés. E etc., etc. Até que, graças a Deus, chegou em nossa casa.
“Deus chamou Abraão para ser ensinador de Sua palavra, e escolheu-o para pai de uma grande nação, porque viu que instruiria aos filhos e à sua casa, nos princípios da Sua lei. E aquilo que dava poder ao ensino de Abraão, era a influência de sua própria vida. Sua grande casa consistia em mais de mil almas, muitas das quais chefes de famílias, e não poucos recém-conversos do paganismo. Tal casa exigia mão firme ao leme. Não seria suficiente nenhum método fraco e vacilante. A respeito de Abraão, disse Deus: ‘Eu o tenho conhecido, que ele há de ordenar a seus filhos e a sua casa depois dele’. Contudo exercia sua autoridade com tal sabedoria e ternura que conquistava os corações. O testemunho do Vigia divino é que guardavam ‘o caminho do Senhor, para obrarem com justiça e juízo’. E a influência de Abraão estendeu-se além de sua própria casa. Onde quer que erigisse a sua tenda, levantava ao lado o altar para o sacrifício e culto. Quando se removia a tenda, o altar ficava; e mais de um cananeu errante, cujo conhecimento de Deus fora adquirido mediante a vida de Seu servo Abraão, detinha-se naquele altar para oferecer sacrifício a Jeová” (Educação, pág. 187).
Jesus é bênção prometida a Abraão e, através dele, para cada um de nós. Que por você, irmão, Jesus seja fielmente apresentado em sua casa, para a sua família, aos seus filhos.
Sugerimos a leitura adicional da Meditação Matinal de 1983 – clique aqui.
[[Aproveite e leia a Meditação Diária 2015 – clique aqui]]

Publicado em a lição da semana, Comentário da Lição da Escola Sabatina, Ligado na Videira | Marcado com , | Deixe um comentário