Uma Visão Adventista Teocêntrica da Verdade

Existem, no Cristianismo, pelo menos dois modelos fundamentais para a definição da verdade. O primeiro modelo é o teocêntrico (clássico/conservador), que parte da pressuposição de que Deus é uma unidade indivisível, e que Sua vontade é uniforme, harmoniosa e consistente em todas as suas expressões.

Esse modelo define a verdade como objetiva, normativa e centralizado na revelação proposicional que se origina em Deus e é por Ele comunicada aos homens através de Sua Palavra (João 5:39).

O segundo modelo fundamental para a definição da verdade é o antropocêntrico (moderno/liberal), que nega a natureza objetiva da verdade, colocando o ser humano como seu próprio referencial.

O alto grau de subjetivismo deste modelo deve-se ao fato de definir a verdade na perspectiva da compreensão humana da revelação divina, culturalmente condicionada. Como as culturas são diferentes e as pessoas são distintas, a verdade assume, neste modelo, características essencialmente pluralistas, sugerindo que o que é verdade para uma pessoa pode não o ser para outra.

Colocando a experiência individual acima da revelação, este modelo tem corroído a identidade denominacional de vários grupos religiosos modernos. [1]

Sua expressão erudita mais radical é o movimento do diálogo inter religioso contemporâneo. [2] Uma versão popular desse mesmo modelo se reflete na tradicional alegação de que “todos os caminhos levam a Deus”.

Vivendo num mundo em que as verdades objetivas da revelação tem sido substituídas pelos conceitos do subjetivismo experiencial [3], os adventistas do sétimo dia creem que sua missão é restaurar e proclamar ao mundo o conceito teocêntrico da verdade [4], expresso em Apocalipse 14:6-7: “Vi outro anjo voando pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para pregar aos que se assentam sobre a Terra, e a cada nação, e tribo, e língua, e povo, dizendo, em grande voz: ‘Temei a Deus e dai-Lhe glória, pois é chegada a hora do Seu juízo; e adorai Aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas’”.

A compreensão adventista teocêntrica da verdade possui pelo menos sete características básicas:

1 – A verdade centraliza-se em Deus e dEle procede.

As Escrituras identificam a verdade como centralizada em Deus. Referências são feitas ao “Senhor, Deus da verdade” (Salmos 31:5); a Cristo como “a verdade” (João 14:6); e ao Espírito Santo como o “Espírito da verdade” (João 14:17; 16:13).

Esta Trindade Divina Se autorrevela nas Escrituras como um Deus ao mesmo tempo transcendente e imanente. De acordo com Paulo, Deus “é sobre todos, age por meio de todos e está em todos” (Efésios 4:6).

Deus, no entanto, não é apenas a verdade, mas também a fonte de toda a verdade. Tiago 1:17 diz que “toda a boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança”.

Isto nos leva a ver as obras de Deus no Universo como expressões dessa verdade última que se encontra em Deus. No dizer do salmista, “os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das Suas mãos” (Salmos 19:1).

Esta visão integrada de Deus com o Universo possui pelo menos três profundas implicações: (1) ela é um antídoto contra o Deísmo (transcendência exclusiva), que afasta Deus da criação; (2) ela se opõe ao Panteísmo (imanência exclusiva), que confunde Deus com a criação; e (3) ela fornece um conceito abrangente e integrado da verdade, onde Deus é visto como a Fonte da verdade, e a Palavra e a Criação de Deus são tidas como manifestações consistentes da verdade.

2 – A verdade está hoje em conflito com o erro

Embora a verdade seja em essência coeterna com Deus, ela se encontra hoje em conflito com o erro (Apocalipse 12). Esse conflito originou-se no Céu e se estenderá até a final erradicação do pecado.

O fato da verdade estar ligada a um Deus eterno, e do erro estar relacionado a um poder antagônico temporal, (1) evidenciam a natureza eterna da verdade, em contraste com a transitoriedade do erro, e (2) asseguram o triunfo final da verdade sobre o erro.

O reconhecimento desse conflito fornece ao estudante das Escrituras a devida moldura para a compreensão da verdade. O estudante da Bíblia é aconselhado por Ellen White a obter conhecimento de seu [da Bíblia] grandioso tema central, do propósito original de Deus em relação a este mundo, da origem do grande conflito, e da obra da redenção.

Deve compreender a natureza dos dois princípios que contendem pela supremacia, e aprender a delinear sua operação através dos relatos da História e da Profecia, até à grande consumação. Deve enxergar como este conflito penetra em todos os aspectos da experiência humana; como em cada ato de sua vida ele próprio revela um ou outro daqueles dois princípios antagônicos; e como, quer queira quer não, ele está mesmo agora a decidir de que lado do conflito estará. [5]

3 – A verdade é revelada na Palavra de Deus

No contexto deste conflito entre a verdade e o erro, as Escrituras Sagradas são a expressão autêntica (2Timóteo 3:16), proposicional (2Pedro 1:19-21) e normativa (Gálatas 1:8; 2João 10; Apocalipse 22:18-19) da verdade. O salmista afirma que a eterna Lei de Deus, transcrita nas Escrituras, “é a própria verdade” (Salmos 119:142); que os mandamentos divinos “são verdade” (verso 150); e que as palavras de Deus “são em tudo verdade desde o princípio” (verso 160).

Cristo reiterou o conceito de que a Palavra de Deus “é a verdade” (João 17:17). Ellen White, por sua vez, esclarece que as “divinas verdades” são expressas nas Escrituras em linguagem humana, apresentando “uma união do divino com o humano”, semelhante a união que “existiu na natureza de Cristo, que era o Filho de Deus e Filho do homem”. [6]

Uma vez que as Escrituras são a Palavra de Deus e a consciência humana foi obliterada pelo pecado (1Samuel 16:7; Provérbios 14:12; 16:25), o aferidor da verdade não se encontra na subjetiva consciência humana, mas na objetiva Palavra de Deus. De acordo com Ellen White, as Escrituras, como “autorizada e infalível revelação” da vontade divina, “são a norma do caráter, o revelador das doutrinas, a pedra de toque da experiência religiosa”. [7]

4 – A revelação e a compreensão da verdade são progressivas

As restrições impostas aos seres humanos pelo pecado tem limitado tanto a compreensão humana quanto a própria revelação divina da verdade. Cristo declarou aos Seus discípulos: “Tenho muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora” (João 16:12). Ellen White advertiu que não devemos nos convencer “de que toda verdade já foi revelada e que o Ser Infinito não tem mais luz para Seu povo”.

Existem, além das verdades aplicáveis a todos os tempos e lugares, também verdades restritas a tempos e lugares específicos. Os adventistas referem-se a esse último tipo de verdades como “verdade presente”. [8]

Comentando o conteúdo de 2Pedro 1:12, o livro Estudos Bíblicos declara: “Tais verdades são aplicáveis a todas as eras, e são portanto presente verdade para toda geração; outras são de caráter especial, e aplicam-se unicamente a uma geração. Não são, no entanto, de modo nenhum menos importantes por esse motivo; pois de sua aceitação ou rejeição depende para as pessoas dessa época o salvarem-se ou perderem-se. Desta espécie era a mensagem de Noé, de um dilúvio por vir. Para a geração a quem foi pregada, aquela mensagem era verdade presente; para as gerações posteriores, ela tem sido verdade passada, e não uma mensagem atual, probante. Semelhantemente, houvesse a mensagem do primeiro advento de João Batista, de que o Messias estava às portas, sido proclamada uma geração antes ou depois do tempo de João, e não teria sido aplicável – não teria sido verdade presente. O povo da geração anterior não teria vivido para ver-lhe o cumprimento, e para os que vivessem depois teria sido fora de lugar. Não é assim com as verdades gerais, como o amor, a fé, a esperança, o arrependimento a obediência, a justiça e a misericórdia. Estas são sempre oportunas, e de caráter salvador. As presentes verdades, no entanto, incluem sempre todas essas, sendo assim de caráter salvador, e de importância vital”. [9]

E Ellen White acrescenta que “em cada época há um novo desenvolvimento da verdade, uma mensagem de Deus para essa geração. As velhas verdades são todas essenciais; a nova verdade não é independente da antiga, mas desdobramento dela. Só compreendendo as velhas verdades é que podemos entender as novas”. [10]

5 – O conhecimento da verdade é essencial à salvação

O conhecimento experiencial da verdade exerce uma influência libertadora e santificadora sobre a vida das pessoas. Cristo disse certa ocasião: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (João 8:32); e, em Sua oração sacerdotal, Ele rogou ao Pai: “santifica-os na verdade; a Tua Palavra é a verdade” (João 17:17).

O grande problema, de acordo com Ellen White, é que “um homem pode ouvir e reconhecer toda a verdade, e todavia nada conhecer da piedade pessoal e da verdadeira religião experimental. Ele pode explicar o caminho da salvação a outros, e ser todavia um rejeitado”. [11] “Nas experiências do apóstolo João e de Judas Iscariotes encontramos o patético contraste entre alguém que permitiu ser santificado pela verdade e alguém que resistiu a esse poder santificador”. [12]

O apelo para um conhecimento experiencial da verdade transparece nas palavras de Oseias 6:3 – “Conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor; como a alva, a Sua vinda é certa; e Ele descerá sobre nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra”.

6 – A verdade é um sistema harmonioso e consistente

A verdade centralizada em Deus e revelada em Sua Palavra forma um sistema harmonioso e consistente em todas as suas manifestações. [13] Urias Smith afirmou que: “A verdade presente é harmoniosa em todas as suas partes. Seus elos são todos conectados. O inter-relacionamento de todas as suas partes é como o funcionamento de um relógio. Mas quebre um dente e o funcionamento é interrompido. Quebre um elo, e a corrente é quebrada. Desfaça um ponto da costura, e poderemos descosturar o todo”. [14]

De acordo com Ellen White, “a verdade para este tempo é ampla em seus contornos, de vasto alcance, abrangendo muitas doutrinas; estas, porém, não são unidades destacadas, de pouca significação; são unidas por áureos fios, formando um todo completo, tendo Cristo como o centro vivo”. [15]

A mesma autora declara também que nosso povo carece “de um conhecimento sistemático dos princípios da verdade revelada” nas Escrituras. [16] Uma tentativa de sistematizar a compreensão adventista da verdade bíblica parece sugerir um sistema, tendo: (1) a Deus como seu centro originador, (2) o grande conflito como sua moldura, (3) o concerto eterno como sua base, (4) o santuário como seu motivo organizador, (5) as três mensagens angélicas como sua proclamação escatológica, e (6) o remanescente como seu resultado missiológico. [17]

7 – O conhecimento da verdade precisa ser comunicado ao mundo

O mesmo Espírito que guiaria os seguidores de Cristo “a toda a verdade” (João 16:13), também os assistiria na proclamação da verdade ao mundo (Atos 1:8; Mateus 28:18-20). Cristo ordenou que Seus seguidores deveriam ensinar as pessoas “a guardar todas as coisas” que Ele lhes ordenara (Mateus 28:20).

Ellen White adverte: “É princípio universal que sempre que alguém se recusa a usar as faculdades que Deus lhe deu, essas faculdades se debilitam e morrem. A verdade que não é vivida, que não é repartida, perde seu poder de comunicar vida, sua virtude salutar”. [18]

Sumário e Conclusão

Portanto, a compreensão adventista teocêntrica da verdade crê: (1) que a verdade centraliza-se em Deus e dEle procede; (2) que a verdade está hoje em conflito com o erro; (3) que a verdade é revelada na Palavra de Deus; (4) que a revelação e a compreensão da verdade são progressivas; (5) que o conhecimento da verdade é essencial à salvação; (6) que a verdade é um sistema harmonioso e consistente; e (7) que o conhecimento da verdade precisa ser comunicado ao mundo.

Que Deus nos ajude a conhecer a verdade, a viver a verdade e a proclamar a verdade, até aquele Dia em que Aquele que é “o caminho, e a verdade, e a vida” (João 14:6) há de conduzir a Verdade ao seu triunfo final!

Referências:

1. Uma interessante discussão sobre a corrosão da identidade metodista por influência do pluralismo é apresentada por Jerry L. Walls em seu livro The Problem of Pluralism: Recovering United Methodist Identity (Wilmore, KY: Good News Books, 1986).
2. Para um estudo mais detido do movimento do Diálogo Inter-religioso, ver, por exemplo, Leonard Swidler, ed., Toward a Universal Theology of Religion, Faith Meets Faith Series (Maryknoll, NY: Orbis, 1987); Faustino, Teologia das Religiões: Uma Visão Panorâmica (São Paulo: Paulinas, 1995).
3. A influência da vida política sobre reestruturação das denominações norte-americanas é analisada por Robert Wuthnow em sua obra intitulada The Restructuring of American Religion: Society and Faith since World War II (Princeton, NJ: Princeton University Press, 1988).
4. Samuel Koranteng-Pipim, Receiving the Word: How New Approaches to the Bible Impact Our Biblical Faith and Lifestyle (Berrien Springs, MI: Berean Books, 1996).
5. Ellen White, Educação, págs. 189-190.
6. Idem, O Grande Conflito, pág. 8.
7. Ibidem, pág. 9.
8. Idem, Conselhos Sobre a Escola Sabatina, pág. 32.
9. Estudos Bíblicos, pág. 106.
10. Ellen White, Parábolas de Jesus, pág. 127.
11. Idem, Evangelismo, pág. 682.
12. Ver: Alberto R. Timm, Santifica-os na Verdade, “Revista Adventista”, setembro de 1983, pág. 46.
13. Ver: Alberto R. Timm, A Singularidade da Mensagem Adventista, “O Ministério”, julho-agosto de 1996, págs. 8-9.
14. Uriah Smith
15. Ellen White, Mensagens Escolhidas, vol. II, pág. 87.
16. Idem, Testemunhos Seletos, vol. II, pág. 101.
17. Alberto Timm, The Sanctuary and the Tree Angels Messages, págs. 476-477.
18. Ellen White, Atos dos Apóstolos, pág. 206.

Alberto Timm, “Revista Teológica do SALT-IAENE” – julho-dezembro de 1998.

Para mais artigos de Alberto Timm, clique aqui.

Anúncios

Sobre Ligado na Videira

Ligado na Videira
Esse post foi publicado em Alberto Timm e marcado , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Uma Visão Adventista Teocêntrica da Verdade

  1. Sílvia pasvoal disse:

    Obrigada. fui despertada. tenho buscado Deus para voltar a evangelizar. me revolta ver omundo tão enganado. Me angústia. Me avise de novos textos sobre a verdade. De todo meu coração bom dia.

    • Bom dia!
      Silvia, Deus a abençoe nas leituras e na atividade missionária.
      Creio que o mundo está sendo preparado para ser evangelizado, e então Cristo virá.
      Agradecemos por navegar e comentar em nosso blog.
      Que o seu 2016 seja feliz, juntamente com sua família e igreja local.

      Carlos Bitencourt
      Cascavel-Paraná

  2. Antônio C. Santos disse:

    A verdade, creio eu, está intrinsecamente relacionada com os conceitos “certo e errado” tendo por base unicamente o princípio da teocentricidade

Escreva um comentário. Compartilhe sua opinião.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s