Explicação de Textos Difíceis da Bíblia: Batismo com Água, com Fogo e com Espírito Santo – Batismo de João e Batismo de Jesus

Batismo com Água, com Fogo e com Espírito Santo

De acordo com Mateus 3:11 há três tipos de batismo: “Eu vos batizo com água, para arrependimento; mas Aquele que vem depois de mim é mais poderoso do que eu, cujas sandálias não sou digno de levar. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo”.

Que é Batismo?

Para os adventistas o batismo não é um “sacramento” no sentido em que o aceita a Igreja Católica.

Que é sacramento?

O Catecismo Romano, pág. 209, parágrafo 3, letra D, referindo-se aos sacramentos, afirma: “Deus os instituiu com a virtude, não só de simbolizar, mas também de produzir alguma coisa. . . São sinais de instituição divina, e não de invenção humana, que possuem também a virtude de produzir os santos efeitos que simbolizam. Assim, cremos com fé inabalável!”

Para os teólogos católicos romanos o batismo é uma ablução que lava o corpo e purifica a alma da mancha do pecado. Esta declaração não se harmoniza com afirmações bíblicas que nos esclarecem que é o sangue de Cristo que nos limpa de todo o pecado. 1Pedro 3:21; 1João 1:7.

Como igreja, cremos ser o batismo não um sacramento, mas um compromisso de lealdade, como escreveu Ellen G. White, na Carta 129, do ano de 1903: “Ao se submeterem os cristãos ao solene rito do batismo, Ele registra o voto feito por eles de Lhe serem fieis. Esse voto é o seu compromisso de lealdade”.

O batismo é um requisito importante no plano da salvação por simbolizar a morte, sepultamento e ressurreição de Cristo.

É a porta de entrada para a igreja.

É o processo pelo qual nos tornamos membros da família de Deus.

O batismo é um ato de fé. Por isso, como igreja, não praticamos o batismo infantil.

[Vale a pena ler “Serão salvas as crianças que morreram antes de atingirem a idade da razão?” – clique aqui].

Nos escritos de Paulo é o sinal da comunhão espiritual que deve existir entre o crente e Cristo. O batismo é um testemunho público de que o batizando aceitou a Cristo como Seu Salvador pessoal.

É um sinal externo do verdadeiro arrependimento do pecado e a manifestação de um desejo íntimo de ser purificado.

Pode ainda ser definido como uma manifestação de fé, do crente, na morte propiciatória de Cristo.

“Simboliza o batismo soleníssima renúncia do mundo. Os que ao iniciar a carreira cristã são batizados em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo, declaram publicamente que renunciaram o serviço de Satanás, e se tornaram membros da família real, filhos do Celeste Rei” (Evangelismo, pág, 307).

O batismo em o Novo Testamento é o sinal externo de que a pessoa aceitou o plano divino para sua salvação, assim como a circuncisão o era entre Deus e os israelitas do Velho Testamento. Em outras palavras, o rito da circuncisão foi substituído na Era Cristã pelo batismo, como nos informa Paulo em Colossenses 2:11-12.

Modos Diferentes de Batizar

Há três maneiras diferentes de batizar: por imersão, aspersão e afusão.

Imersão é o ato de imergir, mergulhar, fazer penetrar, afundar, banhar.

Aspersão é o ato de aspergir, respingar, borrifar, orvalhar.

Afusão quer dizer derramamento.

Encontra-se na Bíblia justificação para qualquer um dos três processos?

Se o batismo é uma comemoração da morte, do sepultamento e da ressurreição de Cristo (Romanos 6:3; Colossenses 2:12), apenas uma maneira pode representar com fidelidade esses aspectos da vida de nosso Salvador. A maneira bíblica de batizar foi apenas por imersão. Confirmam este processo o batismo de Cristo e o da igreja primitiva.

A Bíblia de Jerusalém (tradução católica) traz a seguinte nota para Romanos 6:3: “O ‘banho’ por imersão na água (sentido etimológico de batizar) sepulta o pecador na morte de Cristo (Colossenses 2:12), de onde sai com ele pela ressurreição (Romanos 8:22), como nova criatura (2Coríntios 5:17), homem novo (Efésios 2:15) . . .”

Atos 8:36 e 38 são passagens muito evidentes na indicação do batismo por imersão. Se apenas um pouco de água é suficiente no batismo por aspersão, não haveria necessidade de Filipe e o eunuco procurarem um lugar de água abundante. No verso 38 lemos: “ambos desceram à água”. Há traduções que trazem – desceram para dentro da água. Que esta tradução é melhor confirma-se pelo verso 39, que diz “saíram da água”. Para sair da água é necessário primeiro nela entrar.

O comentário que Mathew Henry faz deste verso é um exemplo frisante para comprovar aonde pode chegar a influência de ideias preconcebidas: “desceram à água, porquanto não tinham em sua posse qualquer vaso conveniente (pois estavam de viagem) com que tirar a água; e por isso tiveram de descer à mesma. Não que se tivessem despido, e tivessem entrado nus na água, mas, estando descalços, de conformidade com o costume, desceram talvez até aos tornozelos ou o meio da canela, e Filipe o aspergiu”.

Seguem-se alguns pensamentos muito úteis sabre o batismo, apresentados por Colin Brown: “A despeito de asseverações ao contrário, parece que ‘baptizo‘, tanto em contextos judaicos como nos cristãos, normalmente significa ‘imergir’, e que, mesmo quando veio a ser um termo técnico para o batismo, o pensamento de imersão permanece”.

“O batismo de João. João administrava um ‘batismo de arrependimento para remissão de pecados (Marcos 1:4), antecipando o batismo no Espírito e em fogo, que o Messias exerceria (Mateus 3:10)”.

“O batismo em Cristo é batismo para a igreja, porque estar em Cristo é ser membro do corpo de Cristo (Gálatas 3:27; 1Coríntios 12:13).

“O batismo em Cristo é para uma vida segundo o padrão da morte de Cristo para o pecado e Sua ressurreição para a retidão.

“Sendo que o batismo significa a união com Cristo (Gálatas 3:27), tudo quanto Cristo tem operado em prol do homem nos Seus atos de redenção, e tudo quanto Ele outorga a ele em virtude dos mesmos, é associado com o batismo nos escritos apostólicos”[1].

A Igreja Adventista administra o batismo por imersão escudada nas seguintes premissas:

1º) O verbo batizar no original grego – baptizo, significa imergir, mergulhar, submergir, como nos confirma a própria história profana.

2º) A narração dos batismos apresentados em o Novo Testamento são evidência de que as pessoas eram imersas.

Confiramos:

Mateus 3:6 – Muitas pessoas eram batizadas por João no rio Jordão.

Mateus 3:16 – Batizado, Jesus saiu logo da água.

João 3:23 afirma: “Ora, João estava também batizando em Enom, perto de Salim, porque havia ali muitas águas”.

A referência ao batismo do eunuco etíope – Atos 8:38-39.

O simbolismo paulino de Romanos 6:4 é uma confirmação evidente de que, para ele, batismo significa imersão.

Para o professor Jorge E. Rice, batismo é:

1º) A porta de entrada na igreja.

Os que ouviram o sermão pentecostal de Pedro perguntaram: “Que faremos irmãos? Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo” (Atos 2:37-38).

Lucas diz ainda mais: “Acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos” (Atos 2:47).

2º) Porta de entrada para comunhão e relacionamento íntimos com Cristo.

Ele nos chama a atenção para a preposição grega ‘eis‘ e não ‘en‘, usada por Paulo, para denotar o objetivo buscado e alcançado pelo batismo. Romanos 6:3 e 4. A preposição ‘eis‘ indica reciprocidade e não repouso.

3º) A porta de entrada no Concerto.

Sendo a circuncisão o sinal entre Deus e Seu povo no Velho Testamento, o batismo representa a circuncisão espiritual do coração, e uma relação salvífica com Jesus. Afirmação baseada em Colossenses 2:11-12″ [2].

O Significado do Batismo

1) “O significado central do Batismo é a participação na morte e ressurreição de Cristo. O Batismo com o qual o próprio Jesus foi batizado, segundo Marcos 10:38, fornece-nos a chave para o entendimento comum deste tema. Jesus começou por solidarizar-se com os pecadores, no seu batismo no rio Jordão, e prosseguiu a sua carreira terrena nos caminhos do Servo Sofredor, através da sua paixão, morte e ressurreição. O Espírito que desceu sobre Jesus no batismo desce também sobre a Igreja, e une o Seu povo com Ele na Sua morte e ressurreição, no batismo e através da ação batismal. O nosso batismo une-nos com Cristo que tomou sobre si mesmo os nossos pecados e os de todo o mundo, para que esses pecados pudessem ser perdoados e apagados, abrindo-nos as portas para uma vida renovada.

2) No Batismo, administrado com água e em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, para remissão de pecados, somos batizados por um Espírito em um corpo. Em nosso batismo, o Espírito do Pentecostes une-nos ao corpo de Cristo, que é a Sua Igreja, e é recebido por aqueles que creem em Jesus Cristo. Administrado em obediência à ordem de nosso Senhor, é sinal e selo do nosso discipulado. Este batismo único, que nos coloca em comunidade com Cristo e uns com os outros, põe fim a toda segregação humana baseada, por exemplo, em diferenças de raça ou de classe” [3].

Diferença do Batismo com Água, com Fogo e com o Espírito Santo

A mensagem de João Batista, declarando que Cristo batizava com o Espírito Santo e com fogo, assim como ele batizava com água, tem ensejado muita discussão e até acalorados debates entre os cristãos.

O batismo com água é um símbolo da operação feita pelo Espírito Santo de acordo com Tito 3:5 e 1João 5:6 e 8.

Quando se dá o Batismo no Espírito Santo?

Três ideias diferentes têm sido apresentadas:

1º) Quando cremos;

2º) Quando somos batizados nas águas;

3º) Quando Deus julgar necessário.

Elemer Hasse discute as três, mostrando pela Bíblia as possibilidades e impossibilidades de cada uma delas.

De suas declarações, a mais importante é esta: “Jesus recebeu o Espírito Santo logo após o batismo no Jordão (Marcos 1:10-12; Lucas 4:1, 18); os crentes de Cesareia e o apóstolo Paulo, antes (Atos 10:44-48; 9:17-18); os discípulos, os irmãos de Samaria (Atos 8:12-17) e os de Éfeso (Atos 19:4-6) receberam o batismo do Consolador depois do batismo nas águas (os discípulos, anos depois)” [4].

Leia atentamente a seguinte declaração: “O batismo no Espírito ou a conversão, precede de modo ideal a batismo na água”.

Este é uma demonstração externa da mudança que ocorreu no coração. O verdadeiro crente é nascido do Espírito (João 3:5-6); o Espírito é o Instrumento selador (Efésios 1:13, 14); e o Espírito é dado a ele com penhor ou garantia e uma permanente lembrança de que ele pertence a Deus (2Coríntios 5:5)” [5].

Os pentecostais usam as passagens de Atos 2:1-13; 8:4-12; 9:1-18; 10:1-48; 19:1-7 e outras como provas de que o batismo do Espírito Santo é uma experiência posterior ao batismo da água. Ver comentários esclarecedores sobre estes textos na Apostila Movimento Carismático, de Wilson Endruveit, pág. 20. c-d.

As divergências maiores estão no “quando” o crente recebe o batismo do Espírito Santo, tendo como ponto de referência o batismo da água.

Ivan Carlo Zanella estudou o assunto nestes três tópicos:

A – O Batismo do Espírito Santo junto com o Batismo da Água

Esses são os que identificam o batismo do Espírito Santo no momento do batismo na água. Dizem que se o crente tem sido batizado com água em nome da Trindade, então pode ser considerado filho de Deus, herdeiro do reino dos Céus e “equipado” com o Espírito Santo.

Esta é a posição sustentada pela Igreja Católica.

Os católicos, bem como os pentecostais, creem numa plenitude, posterior ao batismo da água, do Espírito Santo à qual denominam de Sacramento da Confirmação.

B – O Batismo do Espírito Santo, depois do Batismo da Água

Dizem que o batismo do Espírito Santo vem após um crescente progresso na vida cristã.

Os que assim creem, endossam que o batismo do Espírito Santo é subsequente à conversão. Vem depois da conversão e do batismo da água.

São inclinados a tomar a conversão do crente como um 1º estágio e a subsequente plenitude do Espírito Santo, o qual é normalmente acompanhado pelo falar línguas como um 2º estágio. Os pentecostais chamam a este 2º estágio de Pentecostalismo ou Neopentecostalismo, e é tido como um indispensável passo para o poder espiritual e completa vida cristã.

C – O Batismo do Espírito Santo antes do Batismo da Água

Esses creem que quando um homem se arrepende e crê em Cristo, quando sua vida é colocada aos pés de Jesus, e aceita o Espírito de Cristo ressuscitado em sua personalidade, é batizado com o Espírito Santo.

A aceitação deste ponto de vista coloca o batismo da água depois do batismo do Espírito Santo ou o batismo do Espírito Santo é por ocasião da conversão.

Posição Adventista do Sétimo Dia ou do Novo Testamento

Batismo é um testemunho público de que o batizando aceitou a Cristo como seu Salvador pessoal. Em casos normais o batismo com o Espírito Santo precede o batismo cristão com água.

a) Atos 1:8

O poder do batismo no Espírito é primeiro e acima de tudo um poder que nos une a Cristo. A grandeza do batismo no Espírito Santo consiste não no fato de levar o homem além de Cristo, mas exatamente de o levar a Cristo. Ser batizado no Espírito significa tornar-se de Cristo. Em outras palavras: O batismo com o Espírito Santo é o sinal da ligação espiritual entre o crente e Cristo.

b) Atos 10:44-48

O dom do Espírito aqui é a conversão e não uma experiência posterior à conversão. O batismo nas águas e o batismo no Espírito pertenciam juntos de tal maneira que formavam “um batismo” da Igreja.

c) Marcos 1:10

A conexão de água com o dom do Espírito Santo foi iniciada pelo próprio batismo de Jesus.

d) 1Coríntios 12:13

A expressão descreve o ato soberano de Deus, pelo qual todos os cristãos são incorporados no corpo de Cristo, por ocasião de sua conversão. Paulo identifica o batismo no Espírito com a conversão ou regeneração.

O batismo na água é o símbolo de nossa união vital e essencial com Cristo, em Sua morte e ressurreição – nós morremos para o pecado e ressuscitamos para urna nova vida. O batismo na água é o sinal simbólico do batismo do Espírito Santo, ou a união espiritual que deve existir entre o crente e Cristo.

Russel Norman Champlin, comentando Romanos 6:3, que assim reza: “Ou, porventura, ignorais que todos os que fomos batizados em Cristo Jesus, fomos batizados na sua morte?”, disse entre outras coisas o seguinte:

“O batismo em água simboliza a regeneração, embora de forma alguma seja agente dessa realização espiritual. A água é apenas símbolo da operação feita pelo Espírito Santo. (Ver Tito 3:5 e 1João 5:6-8)…

“O batismo em água é um ato de obediência, o qual visa, especificamente, mostrar ao mundo que o batizando assumiu uma nova lealdade”.

Billy Graham afirma: “Já que o batismo com o Espírito Santo ocorre no momento da regeneração, a Bíblia nunca diz que devemos procurar por ele. Estou convencido que muitas coisas que alguns teólogos e pregadores adicionaram ao batismo com o Espírito Santo na verdade pertencem à plenitude do Espírito. A finalidade do batismo com o Espírito Santo é fazer o novo cristão adentrar no corpo de Cristo. Não há intervalo de tempo entre a regeneração e o batismo com o Espírito.

“No momento em que recebemos a Jesus Cristo como Senhor e Salvador, recebemos também o Espírito Santo” [6].

A água representa a purificação de nossos pecados efetuada através do Espírito Santo.

O Espírito Santo convence o homem do pecado de rejeitar a Cristo; da justiça da obra redentora de Cristo; do juízo por Satanás ter sido derrotado por Cristo na cruz.

Muito se tem discutido sobre o significado da água e ideias divergentes têm sido apresentadas, mas creio que melhor seja esta: o nascimento da água foi empregado metonimicamente por Cristo para significar o lavar dos pecados, ou a purificação espiritual, sem a qual ninguém pode ver a Deus. Ezequiel 36:25 confirma esta exegese.

Batismo com Fogo

Dos muitos comentários existentes sabre o significado do batismo com fogo de Mateus 3:11, limitemo-nos a estes três:

I. “1) Alguns acham que aqui temos dois batismos, um do Espírito e outro de fogo, e que este último fala de juízo, provavelmente até do inferno. Assim interpretaram Orígenes e outros pais da igreja, – Neander, Meyer, de Velte, Lange, e outros modernos.  2) Outros acham que o fogo, neste caso, significa o fogo que destruirá o mundo no último dia.  3) Outros relacionam esse fogo com o purgatório. Essas interpretações falham ao considerar que o ‘fogo’ do verso 11 e o fogo do verso 12 não falam do mesmo ministério de Cristo. O ministério do Espírito seria com ‘fogo’, assim como o ministério de João foi com ‘água’. É verdade também que Cristo julgará (verso 12), e que o fogo é símbolo de juízo. . . 4) A interpretação mais aceita é de que o fogo do verso 11 indica o caráter do batismo do Espírito. … Os hinos falam de batismo de fogo, tais como um rio em chamas que engolfaria os ‘lançados fora’; e alguns bons intérpretes reputam esse batismo de fogo como algo que se refere ao juízo” – O Novo Testamento Interpretado, Versículo por Versículo, vol. 1, págs. 288-289.

II. “O fogo e a água são dois grandes agentes naturais de purificação, e é apropriado que ambos sejam empregados para representar a regeneração do coração. Semelhantemente, são os dois agentes pelos quais Deus purificou, ou purificará a Terra do pecado e dos pecadores (2Pedro 3:5-7). Se os homens se apegarem persistentemente ao pecado, terão de afinal ser com ele consumidos. Quanto melhor, então, permitir que o Espírito Santo faça a obra purificadora agora, enquanto ainda há graça! O pecador será, ou purificado do pecado, ou com ele destruído. Disse Paulo: ‘O fogo provará qual seja a obra de cada um” –  Comentário Bíblico Adventista, vol. 5, pág. 307.

III. “O fogo, instrumento de purificação menos material e mais eficaz do que a água, simboliza já no Antigo Testamento a intervenção soberana de Deus e do seu Espírito, que purifica as consciências” – Nota da Bíblia de Jerusalém sobre Mateus 3:11.

O  Selo

Nos países do Oriente o selo era muito usado em documentos oficiais, como uma garantia de que esses documentos não seriam violados.

A Bíblia nos diz que o crente após ser regenerado, justificado e batizado com o Espírito Santo ele é selado. Efésios 1:13; 4:30.

Paulo parece ter em mente duas coisas quando fala de sermos selados com o Espírito Santo. Uma é segurança, a outra é propriedade. O vocábulo selo no grego quer dizer confirmar ou imprimir. Quando o Espírito Santo nos sela ou põe em nós sua marca, nós estamos seguros em Cristo [7].

O Professor Elemer Hasse discute o problema do selamento do Espírito Santo nos seguintes termos: “E que sinal dá Deus para sabermos se estamos ou não selados? Deus não deixou nenhum sinal. O importante é que Jeová o saiba. Não há perigo de que na Sua vinda Ele o ignore. ‘O fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: o Senhor conhece os que são seus’ (2Timóteo 2:19).

“Ademais, todos os que buscam emoções e sinais para a confirmação e certeza de sua fé, mostram que não têm certeza da salvação e aceitação por Cristo. Têm dúvidas a respeito de sua experiência com Jesus.

“A verdadeira fé não busca sinais: ‘os judeus pedem sinal’ (1Coríntios 1:22); ‘Se não virdes sinais e milagres não crereis (João 4:48); ‘Que sinal, pois, fazes Tu, para que o vejamos e creiamos em Ti? Que fazes Tu?’ (João 6: 30). Mas nós ‘andamos por fé, e não por vista’ (2Coríntios 5:7)” [8].

O selo é a certeza ou a confirmação de que pertencemos a Cristo. Pode também ser chamado de selo de propriedade, confirmado pelo Espírito Santo. A pessoa que aceita a Cristo pela fé é imediatamente selada por Deus como Seu filho ou filha.

Quero concluir esta parte com o seguinte comentário de 2Coríntios 1:22.

“Paulo usa aqui a figura do penhor (garantia) para ilustrar o dom do Espírito Santo aos crentes como uma espécie de primeiro pagamento, a certeza de plena herança no futuro (ver Efésios 1:13-14; Romanos 8:16). É privilégio do cristão receber definitiva convicção de sua aceitação da parte de Deus, como Seu filho adotado, quando da conversão, e retê-lo pelo resto da vida” [9].

Batismo de João e Batismo de Jesus

O batismo de João tinha que ver com o arrependimento, enquanto o batismo de Jesus inclui o arrependimento, mas também o ato de unir-se a Cristo em sua morte e ressurreição; isto é o que deduzimos das declarações de Paulo em Atos 19:3-5.

A Revista Adventista, através de sua “Caixa de Perguntas” apresentou as seguintes respostas à inquirição que encima este subtítulo:

1º) “João fora enviado para preparar o caminho do Senhor, pregando energicamente a mensagem do arrependimento e era natural que ele oferecesse uma cerimônia de lavagem dos pecados aos que atendiam a essa mensagem. Quando as pessoas se dirigiam, arrependidas, a João, confessando seus pecados ele as levava ao rio Jordão, e lá as batizava imergindo-as nas águas. Isto significava também que testemunhavam publicamente a decisão de aceitar a orientação de João, que era conduzi-las a Cristo. Atos 19:4. Era, portanto, distinto do batismo cristão, ordenado por Jesus em Mateus 28:19. . .

“Que o batismo de João não era suficiente confirma-se pelo fato de Paulo ter rebatizado alguns que vieram a ele em Éfeso, os quais haviam sido batizados por João. Atos 19:5″ [10].

2º) “O batismo de João era um chamado ao arrependimento, mas não um meio de transmitir graça espiritual. Assim o batismo com o qual Cristo batizava os crentes era batismo muito maior do que o de João” [11].

De tudo o que os comentaristas apresentam, para diferençar o batismo de João do batismo de Cristo, parece ser o essencial e, isto é bíblico, o batismo de João tinha um significado simbólico, e ele o chama da água para contrapô-lo ao de Cristo, que é chamado do Espírito Santo e do fogo.

Não encontramos evidências em o Novo Testamento de que aqueles que foram batizados por João, tornando-se discípulos de Cristo eram obrigados a um segundo batismo. O batismo de João era aceito como batismo cristão. Este grupo rebatizado, mencionado em Atos 19:5 supõe-se que não havia experimentado a verdadeira conversão.

É bom saber que os anabatistas (a palavra significa rebatizados) se apegavam a esta passagem (Atos 19:5) como prova de que pessoas anteriormente batizadas convertendo-se a sua seita, deveriam batizar-se de novo.

Pesquisando sabre o batismo na Bíblia, concluiremos que no tempo de João Batista, o verdadeiro significado do batismo não era bem compreendido. Depois dos escritos paulinos, especialmente Romanos 6, houve melhor consciência de sua profunda significação.

Conclusão: Esta conclusão não é bem uma conclusão, mas um adendo que reforça e esclarece certos aspectos já apresentados neste estudo.

“Consideramos ser o batismo uma das ordenanças da igreja cristã e um memorial apropriado da morte, sepultamento e ressurreição de Cristo.

“Como hábito cerimonial, o batismo antecede a era cristã. O fato de o batismo por imersão haver sido um dos requisitos que os prosélitos eram obrigados a cumprir, evidencia que os judeus o praticavam.

“Para o judeu familiarizado com o sistema mosaico, as ‘várias abluções’ (Hebreus 9:10) indicadas nas ordenanças tinham significação espiritual.

“Em sua oração Davi implorou a Deus – Lava-me. Salmos 51:7.

“Batismo significa mudança de proprietário.

“Batizado em Cristo, significa tomar-se propriedade de Cristo.

“O batismo significa a renúncia de todos os liames da velha vida de pecado – as coisas velhas já passaram, eis que tudo se fez novo. 2Coríntios 5:17.

Batismo significa ligação vital com Cristo. O batismo significa fé em Cristo: ‘Quem crer e for batizado. ..’ Marcos 16:16.

O batismo significa arrependimento: ‘Arrependei-vos e cada um de vós. . . ‘ ‘Arrependei-vos porque é chegado o Reino dos Céus'” [12].

Referências:

[1] Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento, vol. l, págs. 260-264.

[2] O Ministério Adventista, setembro/outubro de 19B3, págs. 16 e 17.

[3] Um só Batismo, Uma só Eucaristia e Um só Ministério, Documento da Comissão de “Fé e Ordem”, do Conselho Mundial de Igreja, págs. 16 e 17.

[4] Luz Sobre o Fenômeno Pentecostal, pág. 36.

[5] Nota da Lição da Escala Sabatina do dia 5 de novembro de 1978.

[6] O Espírito Santo, Billy Graham, pág. 70.

[7] Idem, págs. 72 e 73.

[8] Luz Sobre o Fenômeno Pentecostal, págs. 26 e 27.

[9] Comentário Bíblico Adventista, vol. 6, pág. 916.

[10] Revista Adventista, janeiro de 1974, págs. 30 e 31.

[11] Idem, janeiro de 1961, pág. 37.

[12] O Ministério Adventista, novembro e dezembro de 1962, pág. 11.

Livro: Explicação de Textos Difíceis da Bíblia, de Pedro Apolinário

Sugerimos a leitura de “A função do batismo”, em Maravilhosa Graça de Deus, pág. 141 (Meditação Matinal de 15/05/1974) – clique aqui.

Anúncios

Sobre Ligado na Videira

Ligado na Videira
Esse post foi publicado em Explicação de Textos Difíceis da Bíblia, Pedro Apolinário e marcado , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Explicação de Textos Difíceis da Bíblia: Batismo com Água, com Fogo e com Espírito Santo – Batismo de João e Batismo de Jesus

  1. Ademir Costa disse:

    Gostei muito do comentário. É de uma clareza interessante. Facilita a vida do leitor. Não deixa dúvidas. Grato.

  2. Pedro disse:

    Tenho uma dúvida, se Jesus disse que para batizar em nome do pai, e do filho e do espírito Santo, pq Pedro batizou em nome de Jesus (Atos 2:38)

Escreva um comentário. Compartilhe sua opinião.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s