O Substituto Divino

Meditação Matinal de Ellen White – O Cuidado de Deus, 1995.

18 de setembro – Pág. 246 – O Substituto Divino

Aquele que não conheceu pecado, Ele O fez pecado por nós; para que nEle fôssemos feitos justiça de Deus. 2Coríntios 5:21.

“Salvou os outros, a Si mesmo não pode salvar-Se” (Marcos 15:31). É porque Cristo não quis salvar-Se a Si mesmo que o pecador tem alguma esperança de perdão ou favor da parte de Deus. Se, em Seu empenho por salvar o pecador, Cristo houvesse fracassado ou ficado desanimado, a última esperança de todo filho e filha de Adão teria chegado ao fim. Toda a vida de Cristo foi de abnegação e sacrifício pessoal; e a razão por que há tão poucos cristãos resolutos está em sua condescendência pessoal e satisfação própria, em lugar de abnegação e sacrifício pessoal.

Oh! que avidez e anseio de alma teve Cristo por salvar o que estava perdido! O corpo crucificado sobre a cruz não cerceou Sua divindade, Seu poder de Deus para salvar, mediante o sacrifício humano, todos os que aceitassem Sua justiça. Morrendo sobre a cruz, Ele transferiu a culpa da pessoa do transgressor para a do Substituto divino, por meio da fé nEle como seu Redentor pessoal. Os pecados de um mundo culpado, que em figura são descritos como sendo “vermelhos como o carmesim” (Isaías 1:18), foram atribuídos ao Penhor divino. …

A Divindade estava realizando Seu trabalho enquanto a humanidade sofria por causa do ódio e da vingança de um povo que detestava a Deus, porque Cristo declarara ser o Filho de Deus. Só Ele podia atender ao pobre ladrão sofredor. Só Ele estava livre para assumir a responsabilidade de fiador do criminoso culpado. O Redentor agonizante considerou-o muito menos culpado do que aqueles que O condenaram à morte, muito menos culpado do que os sacerdotes, escribas e maiorais que tomaram parte ativa em requerer a morte do Filho de Deus.

Que fé teve aquele ladrão moribundo sobre a cruz! Aceitou a Cristo quando aparentemente era uma absoluta impossibilidade que Ele fosse o Filho de Deus, o Redentor do mundo. Na oração do pobre ladrão, houve uma nota diferente da que soava em toda parte; foi uma nota de fé, e chegou até Cristo. A fé nEle por parte do moribundo foi como a mais suave música aos ouvidos de Cristo. A alegre nota de redenção e salvação foi ouvida entre as agonias de Sua morte. Deus foi glorificado em Seu Filho e por intermédio dEle. Manuscrito 84a, 1897.

Anúncios

Sobre Ligado na Videira

Ligado na Videira
Esse post foi publicado em 1995 - O Cuidado de Deus, Ellen White, Meditação Matinal e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Escreva um comentário. Compartilhe sua opinião.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s