Partilhar da Carga

Meditação Matinal de Ellen White – Vidas Que Falam, 1971.

7 de setembro – Pág. 256 – Partilhar da Carga

Voltei o rosto ao Senhor Deus, para o buscar com oração e súplicas, com jejum, pano de saco e cinza. Orei ao Senhor, meu Deus, confessei. Daniel 9:3 e 4.

Levando ainda o fardo pelo bem de Israel, Daniel estudou de novo as profecias de Jeremias. Elas eram muito claras – tão claras que ele compreendeu por esses testemunhos registrados em livros “que o número de anos de que falou o Senhor ao profeta Jeremias, em que haviam de acabar as assolações de Jerusalém, era de setenta anos” (Daniel 9:2).

Com fé fundada na segura palavra da profecia, Daniel pleiteou do Senhor o imediato cumprimento dessas promessas. Suplicou que a honra de Deus fosse preservada. Em sua petição ele se identificou plenamente com os que não tinham correspondido ao propósito divino, confessando os pecados deles como seus próprios. Profetas e Reis, págs. 554 e 555.

Que oração não foi aquela que procedeu dos lábios de Daniel! Que humilhação de alma não revela! O calor do fogo celeste acompanhou as palavras que ascendiam para Deus. O Céu respondeu àquela oração, enviando a Daniel o seu mensageiro. Nestes nossos dias as orações feitas da mesma forma, prevalecerão diante de Deus. “Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo” (Tiago 5:16). Como nos tempos antigos, fogo desceu do Céu e consumiu o sacrifício sobre o altar quando foi feita oração, assim, em resposta a nossas orações, o fogo celeste penetrará nossa alma. Pertencer-nos-ão a luz e poder do Espírito Santo. …

Porventura não temos nós tão grande necessidade como Daniel, de invocar o Senhor? Dirijo-me aos que creem que vivemos no derradeiro período da história da Terra. Insto convosco a que imponhais a vossa alma a preocupação quanto a nossas igrejas, nossas escolas, nossas instituições. O Deus que ouviu a oração de Daniel ouvirá a nossa, se a Ele nos chegarmos em contrição. Nossas necessidades são igualmente urgentes, nossas dificuldades igualmente grandes, e carecemos da mesma intensidade de propósito para, com fé, transferir nosso peso de preocupação para o seu grande Portador. Há necessidade de que os corações sejam, em nossos dias, comovidos tão profundamente como quando Daniel orou. Review and Herald, 9 de fevereiro de 1897. Veja o comentário da Lição da Escola Sabatina para hoje – clique aqui.

Anúncios

Sobre Ligado na Videira

Ligado na Videira
Esse post foi publicado em 1971 - Vidas Que Falam, Ellen White, Meditação Matinal e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Escreva um comentário. Compartilhe sua opinião.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s